News Notícia

Segunda das Preciosidades: A Opala

21 de outubro de 2019

Você já sabe: às segunda-feiras o Joias VIP fala de uma de suas Preciosidades, uma pedra específica que esteja sempre presente em suas joias. Lembra quais já foram tema? Começamos com a Esmeralda, depois o Rubi, aí o Diamante e a Safira (reveja clicando nos links), e hoje vamos falar de uma pedra rara e completamente maravilhosa, a Opala. Só para você ter uma ideia do quanto ela é encantadora, veja o anel da imagem abaixo, um dos modelos do site do Joias. Ele é uma combinação das nossas pedras mais notáveis, pois é feito em ouro amarelo 18 k, cravejado com 62 Diamantes, 48 Safiras Amarelas e tem uma imensa Opala no centro.

A beleza da Opala se deve a um fenômeno relacionado à sua formação geológica e incidência da luz, chamado jogo de cores. Ele é exclusivo dela, não ocorre em nenhuma outra pedra. A Opala é composta por esferas de sílica amorfa e devido à sua disposição entre elas pode haver água, ar ou geis de sílica. Se as esferas forem do mesmo tamanho, a luz é difracionada quando as atinge, e surge o jogo de cores. Isso caracteriza uma Opala Nobre, que é rara e extremamente valiosa (mais que Diamantes). Quando as esferas têm formatos diferentes, a difração da luz não acontece, e isso por sua vez caracteriza uma Opala Comum e o fenômeno de opalescência, pois essa pedra terá uma coloração leitosa.

Assim como várias pedras a Opala também é encontrada em cores variadas, como branca, incolor, azul, cinza, vermelha, amarela, verde, marrom e até preta. Suas reservas mais significativas se encontram em apenas dois lugares: Austrália e Brasil. As australianas vem da cidade de Cooper Pedy, enquanto que as brasileiras são provenientes do Piauí. Existe mais uma característica que a Opala compartilha com outras gemas: a possibilidade de ser sintetizada. Essas versões são bem mais regulares do que as naturais, além de serem menos densas e mais porosas. Agora, um detalhe muito interessante sobre a Opala é sua capacidade de formar fósseis! O processo é igual ao de qualquer fóssil, algo vivo enterrado na areia ou argila é preservado quando coberto por camadas e camadas de outras substâncias, sendo que uma delas podem ser a Opala antes de virar pedra.

Créditos: Australian Opal Centre

Das muitas lendas que envolvem a Opala, uma delas vem da tribo australiana Andamooka. Essa lenda conta a origem das gemas. Diz-se que o Ser Ancestral dos Andamooka foi enviado à Terra através de um grande arco-íris. Quando o arco-íris tocou o solo, grandes rochas e seixos se formaram com suas cores e brilharam ao sol, formando as Opalas. Depois de reunir as tribos, o Ser Ancestral explicou as leis da terra e das pessoas, e também que elas deveriam ser seguidas para estabelecer um modo de vida. As primeiras Opalas e as que se formaram depois foram consideradas sagradas, com propriedades místicas, por isso eram usadas em cerimônias oficiais das tribos, na crença de que o arco-íris iria aparecer novamente algum dia. É realmente uma história tão linda como as pedras e assim também são as joias adornadas com elas que as vezes também são acompanhadas de histórias. Você tem alguma? Nós gostaríamos de saber! Deixe seu comentário aqui em baixo e continue acompanhando nossas publicações. Lembre também das nossas redes sociais, instagram e facebook, que sempre trazem novidades.

You Might Also Like

Sem comentários

Deixe uma resposta